segunda-feira, 21 de junho de 2010

Siga...

Não se preocupe meu bem, não está nada errado... Porque esse medo? Eu te falo o segredo do meu coração que abri pra você.
Não se assuste. Não sou o que pareço ser, nem tampouco sou o que você pensa.
Sou humano infinito nos meus defeitos e qualidades.
Sou desgraça, medo, anseio, compaixão...
Sou paixão a flor da pele, sou amor que compadece. Paixão em demasia. Amor em pequenos grãos.
Não se assuste se pareço não querer. Eu apenas estou calejado demais para acreditar em sentimentos tão grandes que nascem de forma tão repentina.
Não tenha medo das minhas dúvidas, do que eu pergunto.
Não me lance nenhuma corda, eu não vou puxar.
Não tente me tirar do sério, eu não vou me entregar.
Sou dúvida em solo de idéias fixas.
Sou racionalidade no campo das emoções.
Sou paixão contida. Coração machucado.
Amor que suspira e pede para ser livre.
Mas é contido por medo. Por simplesmente desconhecer. Ou então por não saber como amar.
Amor indeciso. Paixão platônica.
Mas eu não resisto e nas entrelinhas das palavras e dos olhares eu me entrego.
Te conto meus segredos. Te mostro o caminho do meu coração.
É só você seguir.
Não vou te machucar, nem tampouco desdenhar do seu sentimento.
Mergulha no infinito das minhas dúvidas.
Dissipa os meus medos.
Faça do meu o seu coração.
Me faça sorrir em manhãs nubladas.
Tire a solidão dos meus dias.Me faça apenas entender o sentido do que é amar...
(Cíntia Synderski)

* Esse texto é quase a quatro mãos... A idéia surgiu de uma frase do Lucas ( a primeira do texto).

3 comentários:

Nachali disse...

SIMPLESMENTE ADOREI

Não tem nem o que comentar, é quase uma poesia em prosa....

AMEI!

Mercuryo Arcano disse...

Concordo com Na
Tem um grande apelo poético.
Parabéns aos dois.
bjs

Carol disse...

Belo texto, daqueles que te deixam mais leve...